Nanoparticulas e Homeopatia

Em janeiro de 2016, foi publicado na revista Dsalud a descoberta de nanopartículas nas diluições homeopáticas , o que explicaria sua eficácia para aqueles que ainda duvidam! A chave para a eficácia da Homeopatia reside na presença de produtos homeopáticos em nanopartículas da substância original que seriam do tamanho de pontos quânticos e, portanto, são indetectáveis por meios […]

Em janeiro de 2016, foi publicado na revista Dsalud a descoberta de nanopartículas nas diluições homeopáticas , o que explicaria sua eficácia para aqueles que ainda duvidam!

A chave para a eficácia da Homeopatia reside na presença de produtos homeopáticos em nanopartículas da substância original que seriam do tamanho de pontos quânticos e, portanto, são indetectáveis por meios convencionais.

Uma equipe de cientistas hindus descobriu isso conclusivamente usando os últimos avanços tecnológicos e observando isso em um artigo que publicaram no International Journal of High Dilution Research. A descoberta endossa as reivindicações do prêmio Nobel Luc Montagnier, que já no final de 2010 publicou que a Homeopatia é eficaz e cientificamente fundamentada! Em sua entrevista à revista Science disse: “Eu não posso afirmar que a homeopatia está certa em tudo, mas suas ultradiluções têm efeitos.”

Tentando convencer seus colegas de que a homeopatia é uma disciplina científica, o médico da Clínica de Farmacologia Sergio Abanades León apresentou estudos básicos e de pesquisa clínica, mas sua apresentação infelizmente não conseguiu responder à pergunta que sempre lhe faziam: se não há nenhum vestígio de substância química nos produtos homeopáticos como vão causar efeitos sobre o corpo?

Bem, é verdade que apenas algumas décadas atrás não havia resposta a esta pergunta, mas hoje há! A engenharia química conseguiu demonstrar que, além do conhecido limite de Avogadro – 6.023 x 10 a 23ª potência partículas elementares em um mol de uma substância qualquer – que tem sido utilizado como ponto de divisão entre a presença e ausência de traços materiais de uma substância em um líquido. Nanopartículas foram encontradas em produtos homeopáticos altamente diluídos e triturados da substância original utilizada (menos de 100 nanômetros).

Nanopartículas são agora de fato usadas em muitas áreas – biomédicas, ópticas, eletrônicas…- e têm propriedades diferentes da matéria maior, incluindo uma melhor biodisponibilidade, aumento da reatividade química e biológica, capacidade de absorção diferente, acessibilidade intracelular superior – com mais capacidade de atravessar as membranas celulares e a barreira hematoencefálica – e, obviamente, com um perfil de segurança melhor devido à sua toxicidade reduzida. E não é só isso: a pesquisa que já está sendo realizada sobre seu possível uso no tratamento do câncer mostrou que as nanopartículas podem distinguir entre células saudáveis e patogênicas.

 

Os medicamentos homeopáticos não são, portanto, produtos “insubstanciais”, mas medicamentos que contêm estruturas nanométricas. Como aqueles que são hoje implementados nanotecnicamente em ciência da computação, bem como para o armazenamento, produção e conversão de energia, produção agrícola, diagnóstico e triagem de doenças, sistemas de entrega de drogas, tratamento e desinfecção água e atmosfera, processamento de alimentos, construção, monitoramento da saúde, controle de pragas, alterações térmicas moleculares (nanotecnologia), armazenamento e sistemas de defesa…

E isto realmente não deveria nos surpreender, já que nosso próprio organismo usa microdosagem e nanodose de algumas substâncias, como por exemplo os níveis hormonais do nosso corpo e os agentes de sinalização celular que se encontram na faixa de picograma/mililitro e ninguém contesta que, mesmo em pequenas quantidades, são essenciais e têm um efeito profundo no corpo; como estradiol (10-900 pg/ml), testosterona (300-10,000 pg/ml) ou hormônios T4 e T8 (apenas 27 pg/ml), entre muitos outros.

 
Esta parte abaixo não cabe colocar no post. Mas pensei em colocar todo o texto no blog pois tem bastante material. De qualquer forma acho que ainda tem que resumir o texto aí em cima para post no Insta e Face.

( MAIS SOBRE O NÚMERO DE AVOGADRO

Em suma, hoje todos os medicamentos são preparados e administrados em doses cuja concentração pode ser quantificada por estar acima do limite de Avogadro, com exceção dos homeopáticos cujos ingredientes ativos estão disponíveis em seus produtos abaixo ou acima desse limite. Os produtos homeopáticos são preparados pelo processo de fabricação descrito na farmacopeia oficial de diluição e dinamização serial da substância original (tintura mãe) em suporte líquido (etanol ou água) ou trituração em que cada parte da substância original é misturada com dez partes da substância de apoio. As misturas são feitas em qualquer uma das três escalas de potência: decimal (representada como X, D ou DH), centesimal (C ou CH) – uma em cada cem – e cinquenta milhares (LM) – uma em cada 50.000. Um exemplo para torná-lo melhor compreendido: uma droga em 6 CH significa que o processo de diluição foi repetido 6 vezes e, portanto, que em cada ocasião uma parte foi tomada e misturada com 100 partes da substância de apoio. )

 

Este aqui foi o site de onde foi retirado: 

https://www.dsalud.com/reportaje/descubren-nanoparticulas-en-las-diluciones-homeopaticas-cuya-presencia-explicaria-la-eficacia-de-la-homeopatia/

 
 
 
Compartilhar:
FacebookTwitterWhatsAppEmail
Postado por Origgami

Prescrição homeopática por terapeutas não médicos

  NOTA DE ESCLARECIMENTO             A Homeopatia foi desenvolvida pelo médico alemão Samuel Hahnemann no início do século XIX, e foi sempre embasada pela clínica médica. O medicamento Homeopático, ao contrário do que apregoam, não é isento de risco para o paciente. Há possibilidade de aprofundamento da condição, e torna-se […]

Puericultura

O atendimento ambulatorial em puericultura compreende a realização periódica de consultas de pacientes de zero a 19 anos com o pediatra para uma avaliação global de desenvolvimento. A iniciativa prevê orientação aos pais ou responsáveis sobre os diversos aspectos de proteção integral da criança e a realização de intervenções quando necessário.

Fabiane Durão