Alimentação e disciplina positiva

Muitos pais procuram encontrar o meio termo entre a permissividade e o autoritarismo na hora da alimentação. E essa busca é, sem dúvida, um ponto chave para a paz e harmonia na hora das refeições. É extremamente importante aprender a “ler” todos os sinais e pistas que a criança oferece durante a alimentação. Se responsivo […]

Muitos pais procuram encontrar o meio termo entre a permissividade e o autoritarismo na hora da alimentação. E essa busca é, sem dúvida, um ponto chave para a paz e harmonia na hora das refeições.

É extremamente importante aprender a “ler” todos os sinais e pistas que a criança oferece durante a alimentação. Se responsivo a esses sinais irá tornar os momentos de refeição muito mais fáceis para todos. Você não irá precisar de tantos “pode ou não pode”, “faça isso, faça aquilo”, quando você enxerga e se guia pelo caminho que a sua própria família constrói.

Mas embora a responsividade seja uma meta, é importante ter em mente as regrinhas que simplificam nossa alimentação.

Não são regras que pretendem dificultar toda a dinâmica, mas que existem para facilitar o dia a dia, dar previsibilidade e estrutura para que a criança desenvolva e aprenda habilidades de alimentação.

Oferecer a mínima estrutura para que a criança consiga se autorregular de forma saudável, sem excessos ou restrições. Que ela consiga entender que sua participação nas refeições familiares é importante, ainda que ela esteja sem fome. Que isso traga sensação de pertencer à sua família, ser importante! E entender que ela pode e deve ter poder de escolha, diante do que ela pensa que é confortável e prazeroso pra si mesma.

Liderança e autonomia são dois pontos chave quando tratamos da dinâmica alimentar na infância. Liderança por parte do adulto envolve disciplina positiva. Autonomia envolve permissão para ser quem ele é. Entender sua própria fome e seus gostos.

Assim, é importante que a criança entenda que algumas questões não estão sob negociação. Não se come bolo na hora do almoço, por exemplo. Mas se eu abro a geladeira e digo: “o que você quer comer?”, eu abro espaço para ela responder “bolo”.

Muitos pais reclamam que a criança não come o almoço se não insistirem, mas não percebem que, deixando de lado essas regrinhas, não investem na habilidade da criança em sentir fome, desejo e vontade de comer na hora da refeição.

Conexão. Observação. Comunicação. Isso pouco se ensina, mas é primordial.

O relacionamento entre quem come e quem alimenta pode facilitar o desenvolvimento de habilidades essenciais para a alimentação ou pode funcionar no oposto. Minar a autorregulação e a confiança da criança, promovendo medo e ansiedade.

Aline Padovani, educadora parental e fonoaudióloga

Compartilhar:
FacebookTwitterWhatsAppEmail
Postado por Origgami

Vacinação de sarampo em menores de ano

  A efetividade das vacinas contendo o componente sarampo é influenciada pela idade à vacinação, de tal forma que crianças vacinadas em idade menor do que 12 meses apresenta efetividade de 84% e aos 12 meses 92,5% (1). No entanto doses adicionais da vacina induzem soro conversão em 95% dos previamente soronegativos (2). Em situações […]

Alerta da SBP sobre cuidados após contato com óleo cru

O alerta feito pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) sobre os cuidados no contato com óleo cru, destinado aos voluntários e profissionais que se mobilizaram para limpar as praias do litoral brasileiro foi destaque de grandes veículos do país. O texto ressalta a importância de o governo garantir a assistência médica a todos os indivíduos […]

Educação de crianças com TDA, TDAH, TOC e autismo: especialista dá dicas…

A psicoterapeuta americana Anne Maxwell trabalha há 25 anos com crianças, famílias e adultos com transtorno de déficit de atenção (TDA), transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e transtorno do espectro autista (TEA). Assistente social clínica licenciada e supervisora de terapias lúdicas, Anne incorporou ao seu trabalho, há dez […]

Fabiane Durão